Repositório Institucional POSITIVO Universidade Positivo Dissertação Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia Industrial
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.cruzeirodosul.edu.br/jspui/handle/123456789/2274
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorAndersen, Elizabeth do Rocio-
dc.date.accessioned2021-05-26T21:29:14Z-
dc.date.available2018-
dc.date.available2021-05-26T21:29:14Z-
dc.date.issued2018-
dc.identifier.urihttps://repositorio.cruzeirodosul.edu.br/handle/123456789/2274-
dc.description.abstractThe incidence of metabolic diseases, such as diabetes, has reached epidemic proportions worldwide. Recent data indicate a high prevalence of diabetes in young adults worldwide. The number of people with metabolic diseases has skyrocketed from 153 million in 1980 to 347 million in 2008 and the projection is that 2025 about 2.3 billion adults are overweight and 700 million obese. Currently, the great concern is that the age of onset of these diseases became earlier, and it is observed that children and young adults are the population that grows the most in this group. Epidemiological studies suggest that maternal obesity causes epigenetic changes due to changes in the intrauterine environment that may play a significant role in the manifestation as well as in increased susceptibility to obesity and metabolic diseases later in children's lives. There is therefore a need to better understand the influence of maternal obesity on the development of childhood obesity. The objective of this work was to evaluate the effects of a hypercaloric and hyperlipidic diet administered before and during gestation of Wistars rats can promote obesity and metabolic diseases in the offspring, as well as to evaluate the reproductive indexes. For this study, the changes in biochemical parameters , murinometric and reproductive models to mimic the human condition. In the first stage of this work, 30 female Wistar rats were used, from 4 weeks of age, and were subdivided into two groups with 15 animals each. After adaptation, a diet with hypercaloric and hyperlipidic supplementation was started for 24 weeks. Then the rats were placed to cross with non-obese males and the pregnant females were selected. In the second stage, 60 male offspring were used, divided into 4 groups with 15 animals each: GC1 - standard animal diet (15 pups); GC2 - hypercaloric diet (15 pups); GH1 - standard diet of the vivarium (15 pups) and GH2 - hypercaloric diet (15 pups). These were followed up for 26 weeks, after weaning, to assess body condition and factors involved with obesity comorbidities. After euthanasia the pups were collected blood for biochemical analyzes (ALT, FA, urea, glucose, triglycerides and cholesterol fractions) and organs for histological analysis. In the first stage of this study, in the mothers' evaluation, the results indicated a significant difference (p <0.001) between the groups, and the hypercaloric group had a mean weight 1.14 times higher in the last weeks and the mothers showed a resistance profile insulin (glycemia greater than 140 mg / dL). In relation to the pups, we did not observe significant weight gain (p <0.05) when compared to the four groups, only when the comparison is done two by two, we noticed that the hypercaloric group gained more weight when compared to the control group and visually we observed an increase in abdominal circumference in the four groups and that in the last week of treatment the pups of the hypercaloric group already presented glycemia> 140 mg / dL being considered pre-diabetic, had alterations in urea and alkaline phosphatase in relation to the control group, alterations in the liver in the histopathological analysis, greater amount of total fat and adiposity, greater liver weight, demonstrating that the hypercaloric and hyperlipidic diet had a great influence on the metabolism of these pups. The results suggest that the diet and not the maternal obesity is the predominant factor in the development of young mice.pt_BR
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Positivopt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectBiotecnologia Industrialpt_BR
dc.subjectDoenças Metabólicaspt_BR
dc.subjectDieta Hiperlipídicapt_BR
dc.subjectObesidadept_BR
dc.titleInfluência da dieta hipercalórica materna em índices murinométricos, bioquímicos, histológicos da prole de ratas Wistarpt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/1439323069376202pt_BR
dc.contributor.advisor1Casagrande, Thaís Andrade Costa-
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/0664201574685996pt_BR
dc.contributor.advisor-co1Loureiro, Marcelo de Paula-
dc.contributor.advisor-co1Latteshttp://lattes.cnpq.br/5025639174188548pt_BR
dc.description.resumoA incidência de doenças metabólicas, como o diabetes, atingiu proporções epidêmicas em todo o mundo. Dados recentes indicam alta prevalência de diabetes em adultos jovens em todo o mundo. O número de pessoas com doenças metabólicas aumentou vertiginosamente de 153 milhões em 1980, para 347 milhões em 2008 e a projeção é que 2025 cerca de 2,3 bilhões de adultos estejam com sobrepeso e 700 milhões obesos. Atualmente, a grande preocupação é que a idade de início destas doenças passou a ser mais precoce, sendo observado, que crianças e adultos jovens são a população que mais cresce nesse grupo. Estudos epidemiológicos sugerem que a obesidade materna causa modificações epigenéticas devido a alterações no ambiente intrauterino que podem desempenhar um papel significativo na manifestação, bem como no aumento da susceptibilidade à obesidade e doenças metabólicas mais tarde na vida das crianças. Existe portanto, a necessidade de melhor compreender a influência da obesidade materna no desenvolvimento da obesidade infantil. O objetivo desse trabalho foi avaliar os efeitos de uma dieta hipercalórica e hiperlipídica administrada antes e durante a gestação de ratas Wistars pode promover, obesidade e doenças metabólicas na prole, assim como avaliar os índices reprodutivos.Para este estudo foram avaliadas as alterações em parâmetros bioquímicos, murinométricos e reprodutivos em modelos para mimetizar a condição humana. Na primeira etapa deste trabalho, foram utilizadas 30 ratas Wistar fêmeas, a partir de 4 semanas de vida, sendo subdivididas em dois grupos com 15 animais cada. Após adaptação iniciou-se dieta com suplementação hipercalórica e hiperlípidica por 24 semanas. Em seguida, as ratas foram colocadas para cruzar com machos não obesos e as fêmeas prenhes foram selecionadas. Na segunda etapa utilizaram-se 60 filhotes machos, divididos em 4 grupos com 15 animais cada grupo: GC1 – dieta padrão de biotério (15 filhotes); GC2 - dieta hipercalórica (15 filhotes); GH1 – dieta padrão do biotério (15 filhotes) e GH2 – dieta hipercalórica (15 filhotes). Esses foram acompanhados durante 26 semanas, após o desmame, para avaliar a condição corporal e os fatores envolvidos com as co-morbidades da obesidade. Após a eutanásia dos filhotes foi coletado sangue para as análises bioquímicas (ALT, FA,ureia, glicemia, triglicerídeos colesterol e frações) e os órgãos para análise histológica. Na primeira etapa deste trabalho, na avaliação das mães, os resultados indicaram haver diferença significativa (p<0,001) entre os grupos, sendo que o grupo hipercalórico teve peso médio 1,14 vezes maior nas últimas semanas e as mães demonstraram um perfil de resistência a insulina (glicemia maior que 140 mg/dL). Em relação aos filhotes, não observamos ganho de peso significativo(p<0,05) quando comparados os quatro grupos, apenas quando a comparação é feita de dois em dois, percebemos que o grupo hipercalórico ganhou mais peso comparando com o grupo controle e visualmente observamos o aumento da circunferência abdominal nos quatro grupos e que na última semana de tratamento os filhotes do grupo hipercalórico já apresentam glicemia > 140 mg/dL sendo considerados pré diabéticos, tiveram alterações na ureia e fosfatase alcalina em relação ao grupo controle, alterações no fígado na análise histopatológica, maior quantidade de gordura total e adiposidade, maior peso do fígado, demonstrando que a dieta hipercalórica e hiperlípidica teve grande influência no metabolismo destes filhotes.Os resultados obtidos sugerem que a dieta e não a obesidade materna é o fator preponderante no desenvolvimento da obesidade de ratos jovens.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentPós-Graduaçãopt_BR
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Biotecnologia Industrialpt_BR
dc.publisher.initialsUPpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::BIOLOGIA GERALpt_BR
Aparece nas coleções:Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia Industrial

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Elizabeth Andersen.pdfDissertação1.47 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.